Tudo sobre aplicativos Android

Micro chip, Nano e Mini: qual é a diferença?

0

Ao longo dos últimos anos a sociedade vem presenciando uma grande revolução tecnológica nos mais diversos setores do mercado. Um dos segmentos mais importantes foi também um dos que mais evoluiu: o das telecomunicações.

Hoje vamos falar especificamente sobre os tipos de chip de celular. Esse pequeno pedacinho de cartão está dentro dos aparelhos que a grande maioria das pessoas usa todos os dias. Apesar de ser popularmente conhecido como chip de celular, seu nome oficial é “cartão SIM”. SIM é uma sigla que significa “subscriber identity module” ou, em bom português: módulo de identidade do assinante.

Ele é tão importante que algumas pessoas escolhem ter mais do que um. Seja com vários celulares, ou com um aparelho que comporte mais do que um chip, a vantagem de ter vários é a possibilidade de usufruir das vantagens de planos diferentes.

Caso você já esteja com o seu aparelho de celular há um bom tempo (alguns anos), é possível que você nem conheça os chips mais modernos.

A função do chip

Fazendo uma comparação, no ambiente virtual o chip funciona mais ou menos como se fosse o documento de identidade do usuário daquele telefone.

Ele tem uma importante função de segurança, garantindo que outras pessoas não consigam trocar mensagens, realizar ligações e nem gerenciar a sua conta.

Também é no chip que ficam gravadas algumas informações a respeito daquela conta de celular. Entre essas informações estão a operadora, o plano contratado, o número do telefone e os dados cadastrais do cliente. 

Por conter todos esses dados, ele faz a ponte entre o aparelho e a operadora, sendo responsável pelo fornecimento de internet e pelas ligações (se você estiver em um lugar com sinal, naturalmente).

Conhecendo o cartão SIM

O chip que mais se popularizou quando na época do seu lançamento foi o micro chip. O que chama a atenção é o fato dele ser o “filho do meio” entre os três chips, já que antes dele veio o mini e depois veio o nano. Curiosamente, mesmo não sendo o primeiro e nem o mais avançado, o micro chip é o mais lembrado quando as pessoas pensam em chip de celular.

Os cartões SIM que formam o que chamamos de chip são feitos de plástico. Mas o chip, o chip mesmo, é aquele pedacinho menor e feito de metais e materiais tecnológicos. É nesse pedacinho de metal que são guardadas todas as informações que já mencionamos.

Os tipos de chip de celular

Agora vamos falar sobre os detalhes de cada tipo de cartão SIM.

Mini chip

O mini chip foi o primeiro entre os tipos de chip que usamos. Ele representa a primeira geração e na terminologia técnica seu nome é 2FF.

O 2FF é o maior entre os chips mais conhecidos. Suas dimensões são 1,5 por 2,5 centímetros, enquanto a espessura é 0,76 milímetros.

O mini chip pode ser encontrado nos modelos mais antigos de smartphones e também de tablets. Depois, conforme os tablets e celulares foram evoluindo, passaram a usar o micro chip.

Micro chip

O micro chip, como já falamos, é a versão mais popular entre os chips de celular. Ele representa a segunda geração de chips e na terminologia técnica seu nome é 3FF.

Em relação a geração anterior, o micro chip tem praticamente a metade do tamanho. Suas dimensões são 1,2 por 1,5 centímetros. A espessura, por outro lado, continuou a mesma da geração anterior: 0,76 milímetros.

Para questões de referência, o surgimento do micro chip foi mais ou menos na época do lançamento do iPhone 4.

Nano chip

O mais recente entre os modelos de chip é o nano chip. Ele é da terceira geração de chips e é conhecido como 4FF na terminologia técnica.

Além de mais novo, ele também é o menor entre os chips. Suas dimensões são 1,23 por 0,88 centímetros e sua espessura é de 0,67 milímetros, sendo mais fino que os seus antecessores. Ele é tão pequeno que todo o cartão SIM é praticamente do mesmo tamanho do chip de metal, ou seja, quase não tem bordas de plástico.

Todos os modelos mais novos e tecnológicos de smartphone usam esse tipo de chip.

Adaptadores

Existem adaptadores para fazer com que as pessoas consigam usar seus chips em aparelhos de celular que tem uma entrada para chips diferentes. 

O problema é que os adaptadores só funcionam se você tem um chip menor e quer que ele ocupe um espaço maior. Ou seja, os adaptadores são bordas de plástico onde você encaixa um chip menor dentro. Assim, um nano pode encaixar nos dois maiores, e um micro chip pode encaixar nas bordas do mini.

O contrário infelizmente não é possível. Até existem alguns tutoriais na internet ensinando a cortar as bordas de plástico dos chips. A ideia é fazer com que um chip grande seja cortado para entrar em um celular mais novo. Esse método, apesar de funcionar algumas vezes, não é recomendável, já que pode danificar a parte metálica do chip e fazer com que você perca todos os dados que estão armazenados.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.